16.8.04

Lamento

O meu quarto é o poiso
De todas as fantasias.
Fantasias que não vivo
E me deixam doente.
O meu quarto é a alma do que tu és...
E choram as paredes
Porque não há gente!
Os meus sonhos são chamas
E paus afiados,
Que me queimam e me espetam,
Que me magoam o corpo.
O tu não me amares é o golpe final!
Fim da tragédia!
... Estou morto!

Mas grita o meu nome
Em tons de paixão...
Estende-me um beijo,
Atira-me a mão.
Canta, chora, diz que me amas
E amaldiçoa-me a morte
Quando agora me chamas.
Por fim... deita-te em sono profundo,
Lamenta-te naquela que podia ter o mundo.
Então eu volto no limiar do tempo,
Para uma última palavra e uma só lágrima,
Concedidas por aquele que é Deus!
Digo-te que te amo e que parto feliz...
Pois levo-te os olhos, que agora são meus.

7 comentários:

mad disse...

Fizeste-me chorar...
Eu sei porquê.

Sandro disse...

Acabaste de me dar o maior elogio que acho ser possivel...
É dificil conseguir atingir as pessoas com os nossos devaneios. Se te fiz chorar, fico feliz por isso... E acho que me percebes...

nikonman disse...

Como uma seta apontada ao peito.
Profundamente!

mad disse...

Profundo é a palavra certa.

mad disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Sandro disse...

E quanto mais fundo, maior é a dor...

mad disse...

e doi tanto...