22.12.04

Finjo...

que não me importo que vás...
Não deixo que nem uma lágrima caia!
Partes sempre nesta altura do ano...
Onde está o teu amor?
Onde anda o teu amor?
...
Deixas-me de coração partido,
Que nem um ovo que se estilhaça no chão.
Caio e parto-me em pedaços...
Pedaços que se espalham por todo o lado.
Pelo menos disseste até já.
Mesmo que para voltares leves anos...
Onde está o teu amor?
Onde anda o teu amor?
...
A chuva não me leva as lágrimas,
E não consigo fingir por mais tempo.
Se ao menos pudesse ir contigo...
Assim matas-me aos bocados...
Aos bocados...
...
Se conseguisse ser quem querias...
Se ao menos conseguisse ser quem querias...
A toda a hora!
...
Onde está o teu amor?
Onde anda o meu amor?

11 comentários:

Roxanne disse...

oi Sandro, um texto forte de quem procura as respostas e não quer mais fingir, nesta ou noutra altura do ano. Beijinho e que fiques bem...

CA disse...

Tu escreves o amor que procuras, respiras o amor que não achas.
Fecha os olhos à dor e finge que és apenas tu...não aquele que alguém queria.
Beijo.

Anónimo disse...

Quantas vezes perguntamos o que já sabemos?

Beijinhos grandes
Sónia

www.lbutterfly.blogs.pt

Caliope disse...

As soluções que encontras são as certas para as perguntas que fazes. Escreveste:
"Se ao menos conseguisse ser quem querias..."

Mas será que fazemos sempre as perguntas certas?
Há uma pergunta cuja resposta seria:
- Não consigo ser mais do que aquilo que sou.
Aceita-me.
Um beijinho ;-)

Anónimo disse...

Pk é k ha dores k nos são tão familiares?! Revi-me no teu texto... mto bom mmo! Bom Natal! http://oblogdorapaz.blogs.sapo.pt

Å®t_Øf_£övë disse...

Passei para desejar um Bom Natal.
Abraço.

amita disse...

Feliz Natal com tudo de bom. Bjos

joãoGonçalo disse...

bom natal!

Krip disse...

Apenas para desejar um Feliz Natal e deixar um abraço =)

mood disse...

Desculpa, sei que prometi que não ia comentar mas não dá! a tua forma de escrever é demasiado agradável: é muito visceral, muito genuína..tá tudo lá! ler o que escreves é quase sentir o paladar das coisas e isso é único.
Gosto muito..muito.E compreendo bem essa forma de sentir o amor...com o coração, com a cabeça, com o corpo, com tudo o que se é- é a única forma possível de amar genuinamente, eu acho.Mas não permitas que isso te continue a partir por dentro, tens tanto..TANTO...para reconstruir.

Adoro-te muito
Jo

Anónimo disse...

Meu querido....
sabes que pior do que finjir, é a estranha sensação que temos quando tentamos esconder de nós mesmos!

Há alturas na vida que nos apetece desistir de tudo.... de todos... de sonhos e encontros que nos parecem vazios... sem sentido!

Então é aí, que finjinos que nada se passa. Andamos no meio da multidão, e nada nos parece agarrar. Os amigos parecem longe de nos sentir...

Pior quando nos apercebemos que tudo isso tem um nome: Amor.
AMOR
é tudo aquilo que nos faz vibrar
perder a cabeça
perder a direcção das coisas..... sim porque não há direcção no amor.... qualquer sentido serve
acordar de manhã e olhar para o espelho com prazer
sorrir com um simples olhar...

amor é tudo aquilo que procuramos sentir, porque aí, tudo é mais fácil, e percebemos porque nasce o sol todos os dias.... e a noite deixa de ser o tormento das histórias mal vividas, os desamores, e os amores não correspondidos!

Em relação a sermos tudo aquilo que completa o outro, não passa de um ilusão... seremos sempre a outra face do outro... da sua essência... das suas ideologias e sonhos... acho que é por aí que o outro se apaixona por nós.... não percas isso, porque será, sempre, o que terás de melhor, mesmo para te protegeres da noite escura.... hoje e sempre....

Beijo doce, de quem vive em função do Amor... :)