13.12.04

É...

Ainda te amo sim...
Não como se disso dependesse a minha sobrevivência, mas ainda...
Custa-me admiti-lo, mas custava mais se tivesse de to esconder!
O meu coração anda órfão desde que voaste... só por voar...
Não sei até onde isto vai, mas sigo o rumo a que me proponho!
Tenho pena de não me poder ver de frente... poder encarar-me a mim mesmo...
Poder confrontar-me com esta nostalgia e tristeza... com estes olhos vermelhos...
Mas sigo, um dia após o outro, e finjo que isto é pouco, e que não preciso me preocupar!
Foste a única coisa certa em tudo o que fiz., o único beijo, o único remorso...
Enquanto nos dissemos adeus... eu alimentava-me mais um pouco de ti.
E mesmo que agora não me oiças, eu vou estar sempre do teu lado...
Sempre que chorares vou passar o meu braço pelo teu ombro...
Sempre que sorrires vou renascer contigo!
Mas custa-me este recusar o óbvio... que te amo!
E desfaço-me em bocados, nesta solidão que nem me deixa respirar...
E caio...
Caio nos bocados em que me desfaço... Caio assim, sozinho...
Durante anos tentei... e mais que viessem...
Mas não te encontro! Posso te encontrar?
Alimenta-me desse beijo que me prometeste,
Desse amor com que me viciaste.
Desse vicio que me corroeu e me deixou assim...
A cair aos bocados em que me deixaste!
Jogo mãos ao céu todas as noites,
Mas ninguém ouve as minhas preces, faça eu o que fizer...
E nas ruas da cidade, carrego o mundo nas costas...
e sofro... sabendo que nunca nada é para sempre!

10 comentários:

CA disse...

Nunca nada é para sempre...tens razão.

Ninagasol disse...

"... sabendo que nunca nada é para sempre!" Certo!!
Então, terás(emos) de pensar que a tristeza, a dor, a nostalgia, o sufoco... também não o serão. Certo? :)
Beijo sincero

Juliana disse...

Lindo. Adorei.

Ritinha disse...

Lindíssimo Sandro. Alma gémea.
Beijo

Anónimo disse...

aiii calma com essas palavras!
que coisa forte!
mas quando é...mesmo sem estar, é mesmo não é!??
como eu te entendo
e sem presença que pese, o peso é tão grande, o peso da ausência que de tão vazia nos ocupa o lugar que temos reservado para a dor, se instala e estala os limites desse lugar, e , depois, alastra-se, por lugares e lugares e anos e anos, qual virus de amor e dor que nem sequer é o próprio antídoto..porque se ao menos fosse...
beijo enorme* palavras lindas* espirito forte o teu! anacanela. www.vidadeareia.blogs.sapo.pt

FDC disse...

"E mesmo que agora não me oiças, eu vou estar sempre do teu lado...
Sempre que chorares vou passar o meu braço pelo teu ombro...
Sempre que sorrires vou renascer contigo!"

Penso que em alguma altura da vida todos nós chegamos a um ponto idêntico. Agora a questão é: isto é retribuído ? Pois se não o é, já nada mais vale... e mais vale andar para a frente.
abraço

Anónimo disse...

Evitar amar também é um vício, evitar sofrer também é um vício, evitar cair aos bocados por alguém a quem amámos é quase inútil.
Bjs
Muitos

contadordehistorias disse...

fica os restos da saudade e da lembrança...


abraço

Sandro disse...

CA: Não... Não concordes! Contradiz-me, nega-me, diz que não tenho razão. Diz-me que o amor pode ser pra sempre, e que tudo tem um sentido! Pede que não me acomode, que lute pelo que acredito, porque um dia o sol brilha pra todos! Faz isso...

ninagasol: Fizeste bem em por esses parentisis... Essas palavras são pra todos, e para ti! E principalmente as coisas más, não devem durar pra sempre.
Beijo

Penélope: Obrigada. Também adorei a visita! (tanta cordialidade...)

Ritinha: Alma gémea?? Encontrei-a aqui?? Ainda bem que gostaste. Beijo

Anacanela: A calma por vezes é inimiga do sentimento. Existem coisas que têm de ser sentidas com raiza, emoção, no momento e não mais tarde!
Não sei se o peso da ausência é maior, mas sei que é o unico que sinto. Sempre que temos alguém, ou algo, julgamo-lo como um dado adquirido... depois sentimos o peso do que não está!
Obrigada pelo comentário.
Beijo grande.

Sandro disse...

FDC: A questão é: Tem de ser retribuido? Da mesma forma? Ou haverá formas de mostrar e de amar diferentes uma da outra? Não nos podemos basear em nós, para exigir dos outros... Um abraço.

Pequenina: Evitar, evitar, evitar... Evitar é o erro!
Evitar amar, para evitar sofrer? Evitar dar, com medo de não receber?
Não! A uníca coisa a evitar, é esse medo de tentar.
Beijo bom

contadordehistorias: restos?... não! Rastos... para que possas segui-los de volta!
Abraço