1.10.04

TU ÉS TUDO

Cheguei onde estava e sentei-me.
E numa tão grande imensidão, senti que o momento me preenchia.
De ambos os meus lados havia nada. Logo... estava lá tudo.
Ouvia o som belo dos pássaros que cantavam pousados nas árvores que não estavam.
Ouvia o riso das crianças que eu não via.
Sentia o cheiro das plantas de jardim algum que lá houvesse.
Ah! O silêncio...
O silêncio é nada, logo eu ouvia tudo.
Então senti a tua mão a tocar a minha, e o teu respirar ofegante cada vez mais perto.
Agarrei em todo o nada que havia à minha volta e moldei-o à tua forma.
E consegui estar contigo.
Beijei-te, segurei-te nos meus braços... amei-te.
Abri então os olhos e outra vez vi nada.
E nada é tudo...
E tudo és tu...

16 comentários:

Ninagasol disse...

Obrigada por teres ido. Será até um dia destes...
É bom saber que existe alguém que consegue amar alguém dessa forma.*

Estrela do mar disse...

Entrei aqui por mero acaso e encontrei uma escrita muito bela e transparente. "(...)"E nada é tudo...E tudo és tu...(...)", em tão poucas palavras dizes tanto...e tanto ás vezes é pouco...
Um beijo*.

Paulo Ferreira disse...

Esse nada que te rodeia é a ansiedade que te provoca a ausencia dela. Apaixonar-se é algo de muito belo. O problema começa quando descobrimos que estamos apaixonados, porque enquanto não o descobrimos, tudo é um mar de rosas, e depois, chegámos á conclusão que ninguém lhes tirou os espinhos.

Catarina disse...

Isso meu amigo, isso é sonhar... :) *

Maria Branco disse...

Esse tudo Sandro vive-se dentro de ti! A ausência que te fere é apenas fisica! E não é sonho, é vivencia mesmo, mas apenas em ti, e essa eu também conheço! E sabes Sandro, antes vive-la assim, no silêncio e na ausência, do que nunca a experimentar! Beijinhos

Sandro disse...

Ninagasol: Todos conseguem amar dessa forma. Só que uns têm mais medo do que outros! *

Estrela do mar: Ainda bem que vieste aqui. Por vezes, da mesma forma que em poucas palavras se diz tanto, com muitas palavras chega-se a não dizer nada... quando palavras nem são necessárias. *

Paulo: Realmente a ausência "dela" causa-me ansiedade. Uma ansiedade boa, que gosto de sentir. Porque ainda tudo é um mar de rosas. ;)

Catarina: E se isto é sonhar, em parte devo-o a ti. Beijo grande.

Maria Branco: Pertite-me discordar, mas a dor nãoé apenas física. Se fosse aguentava bem, porque mesmo que deixa-se cicatriz, tinha a marca para me provar que tinha ultrapassado. Não, é uma dor que nem sei como curar. Como curas o que não vês? *

Anónimo disse...

Gostei imensamente deste seu tão expressivo texto, onde a dialética entre o tudo e o nada está fortemente presente, como em nós, na vida, em tudo. Nada escapa. Um beijo imenso. Muito prazer!

Anónimo disse...

E tudo és tu... ;)
Beijo grd
Martinha *

Å®t_Øf_£övë disse...

Passei por aqui pela primeira vez,estive a ler vários dos teus posts,e gostei muito,mesmo muito.
Neste post descreves realmente o que é estar verdadeiramente apaixonado.Quando estámos apaixonados,e não temos a pessoa que amámos a nosso lado,imaginámos sempre como seria essa situação com a pessoa que nós queriamos que lá estivesse.E mesmo na sua ausência conseguimos sentir muito forte a sua presença.
Parabéns por este teu cantinho.
Abraço.

mad disse...

Este teu texto é bom para ler em qualquer ocasião. Principalmente quando estamos sós. Adoro a tua perspectiva das coisas e como a passas para o papel (neste caso para o blog).

Filipa disse...

Que giro :))

Anónimo disse...

Gisela - Achei lindo :) obrigada pela visita que fizeste um dia destes ao meu blog, hei-de voltar! beijinhos

Anónimo disse...

Ao mesmo tempo que é desesperante quando não há sintonia, a paixão dá-nos intensidade, os sentidos ficam à flor da pele, sentimos o tudo e sentimos o nada tão intensamnte como as batidas do coração!

Gotinha disse...

Bonito amor!

menina das sardas disse...

lindo! lindo! lindo!

Lua disse...

Tive alguem na minha vida que dizia que me amava do tamanho do nada ... o nada era muito maior que o tudo ... ;)