9.11.04

Rendo-me...
Sem sequer saber a quê ou a quem...
Eu rendo-me!

Perdi-me quando deixei de te procurar,
quando por fim desisti de te imaginar...
Privo-me agora e aqui de toda e qualquer vida,
de ser mais ou menos que alguém...
Rendo-me!
Perdido...
Sou sombra numa noite sem luz,
lágrima... por não estar contigo...

E no céu que experimentei,
quando o meu estar sozinho era perder-me em nós,
relembro o cheiro do teu beijo...
o louco sabor do teu perfume...
Renasço no suave toque da tua voz,
no som das tuas mãos no meu corpo...

Rendo-me!... por estar sem ti...
Sozinho...
Morto...

14 comentários:

CA disse...

Que rendição triste...
Tens que renascer no toque de uma novas mãos, no som de uma nova voz.

Marta disse...

Para renascer... Beijo

ebola disse...

No entanto "vives" o suficiente para nos deixares mais um estado da tua alma... Não morremos, hibernamos até que alguém nos acorde, é assim quando se experimenta o céu...

Anónimo disse...

Não te rendas... Não te rendas sem saber a quê ou a quem... Não te rendas que ainda te perdes... E eu não te posso perder!!!
Beijo bom
Martinha

robina disse...

Render? Só ao amor...;-)

Ritinha disse...

Não te rendas... muda apenas de luta.
Beijo grande.

Anónimo disse...

Nem rendido, nem perdido... Continua a procura.
Cruzei-me contigo, apenas não me viste...

pedra disse...

A rendição nas coisas do amor é acto passageiro, embora provoque uma agonia terrível. Mas rendição nunca. Talvez intervalo para outras entragas com mais experiência e mais amadurecido. Só o amor vale a pena.

Anónimo disse...

Quem amou como tu amaste, voltará certamente a amar com a mesma intensidade, com a mesma rendição e tudo em ti estará intacto, como da primeira vez que amaste.

Beijos, gosto de gostar de ti

Maria Branco disse...

Um abraço imenso, querido amigo.. Um dia destes irás renascer mais forte, mais disponivel para os outros para o mundo, e nos teus labios dançara um sorriso!! Beijos

Luis Gaspar disse...

Isto sim, são insónias. Onde estás tu e o teu papel? A arte à noite é mais infinita, não é?

c.b. disse...

Momentos em que nos sentimos mortos, mas vivos com sangue a correr ainda nas veias temos essa capacidade de renascer e voltar a nascer ;)

Abraço

FDC disse...

estou exactamente no mesmo momento que tu estás.. mas penso que algo ou alguém há-de aparecer e fazer-me combater de novo.
até lá.. resta-me ... a dor :S

Roxanne disse...

oi Sandro, dizem que há coisas que só duram o tempo que merecem...fortalece-te, renova-te para tudo de bom que ainda está por vir...
1 beijinho (suave).