23.1.09

Desenhei-te...




...
E quando te desenhei,
fi-lo a traço leve,
escondida no papel, num tom que mal se via…

Os teus lábios,
para desenhá-los é preciso arte,
optei por deixá-los de parte,
e agora não me falas…

No tom de pele, não escolhi cor alguma,
porque a tua é assim, quase perfeita,
e no papel perde a razão…

As mãos pequenas,
que quando me tocam ganham metros,
não as pus no fim dos braços,
prefiro deixá-las no meu corpo…

Os cabelos louros, no papel perdem vida,
ficam estáticos, de cor esbatida,
optei por apagá-los…

Quando te desenhei…
todo o desenho estava errado,
porquê procurar-te no papel?
...Se te encontro do meu lado!

9 comentários:

Marta disse...

Quem escreve assim com tanta arte, não precisa de ser artista em mais arte alguma... Deixa lá o desenho e presenteia-nos com mais destes poemas, destes textos que nos cortam o ar, nos suspendem a respiração e me fazem amar-te um pouco mais, sempre mais...

P.S. - Adorei... há algum tempo que não te lia assim!!!

Paula disse...

lovely....
:)

'C. disse...

Tão Lindo :)

Branca disse...

Olá :)

Sim, para quê...

Gostei, taõ simples e tão belo!

Beijinhos :)

Katia disse...

Lindo...Lindo...Lindo...
Simplesmente LINDO...
adorei kd palavra...kd linha ...kd estrofe...
parabens =)
bjs bjs

Juro disse...

que bom amar assim....

;)

Maudlin disse...

Traços finos, suaves, certos... Rumos perfeitos ;)

nuvem disse...

Quanta ternura... Um poema doce, este, doce e apaixonado.

Uma bela homenagem ao amor.

Beijo

Joana disse...

Sandro pá....

"Os teus lábios,
para desenhá-los é preciso arte,
optei por deixá-los de parte,
e agora não me falas…"

que delicía, isto.

Abraço apertado