2.11.07

Ás vezes...

Ás vezes páro... fico prostrado em lado algum e baixo os braços.
Muitos pensam que desisto! Outros pensam que acabou!
... e eu apenas espero que alguém me puxe!

6 comentários:

Sha disse...

Olá Sandro.
Ler-te fez-me lembrar um poema de Ruy Belo, que partilho contigo:

"Que o medo não te tolha a tua mão
Nenhuma ocasião vale o temor
Ergue a cabeça dignamente irmão
falo-te em nome seja de quem for

No princípio de tudo o coração
como o fogo alastrava em redor
Uma nuvem qualquer toldou então
céus de canção promessa e amor

Mas tudo é apenas o que é
levanta-te do chão põe-te de pé
lembro-te apenas o que te esqueceu

Não temas porque tudo recomeça
Nada se perde por mais que
aconteça
uma vez que já tudo se perdeu"


- "Uma vez que já tudo se perdeu" in Homem de Palavra[s] -


(Desculpa a ousadia e o comentário longo.)
Beijo fofo
Sha

Joaninha a voar disse...

Estás a ver esse fio transparente que te sustenta?
É a alma, o que quiseres. Eu estou por cá e puxo daqui de cima um cordelinho.
Força.
Um bj

Fábula disse...

... ou que alguém te empurre! ;)

Kielma Farias disse...

Perfeito, adorei li tammbém outros posts gostei muito do seu blog parabens.

pulguita=) disse...

as vezes tb m sinto assim...quero tanto que me puxem porque não consigo mais viver sem ter a certeza que há ali alguem k m quer bem...bom post=)
bju

Rato do deserto disse...

Nem mais. Esperar que alguém nos puxe é confiar nas amizades. Confiar nos outros e, em última instância, em nós mesmos. Uma frase simples que reflete todos nós, diria eu.

um abraço