23.1.08

Estrela da tarde

"Era a tarde mais longa de todas as tardes que me acontecia
Eu esperava por ti, tu não vinhas, tardavas e eu entardecia
Era tarde, tão tarde, que a boca, tardando-lhe o beijo, mordia
Quando à boca da noite surgiste na tarde tal rosa tardia"...




E quando Carlos do Carmo canta assim as palavras de Ari dos Santos...
...
...
...



(só lamento ter sido este o único "video" que arranjei com a música...)

9 comentários:

Anónimo disse...

e porque os meus dentes se nao forem lavados ficam amarelos, seja do cafe, seja das laranjas, porque estao direitos, o maximo possivel e ate porque sempre desejei que o ar nao se escapulisse entre as frexas da minha dentadura.


porque um homem e sempre um homem dependendo da idade. mas se gostar, nao quer saber se é virgem ou deixa de ser.

Rato do deserto disse...

é de nos deixar de boca aberta, o Ary. dificilmente haverá outro igual.
abraço

CatWorld disse...

esperar...muitas vezes doloroso...

Inês Xein disse...

Já esteve no meu blog... E há-de voltar, sempre! É das músicas mais bonitas que existem no reportório português. Linda, linda, linda....



Sente-te!

Anónimo disse...

Lindíssima. Adoro o poema e a música
Carla

particula-RG disse...

Este poema arrepia-me!

Shantia disse...

nao conhecia....obrigada...
poema lindo

Sandro disse...

Anónimo: Pois... O que quiseres!

Rato do Deserto: Dificilmente, sem duvida. Abraço

CatWorld: Muitas vezes recompensador...

Inês Xein: E linda, linda, linda...
Sinto-me sempre.

Sandro disse...

Carla: Obrigada pela visita. Beijo

particula-RG: O poema, a música, a voz...

Shantia: De nada. Beijo