13.2.07

- Sandro... tu que és todo dos amores, e das poesias... tu é que me podias explicar o que é isso do amor, não? Quando é que sabes que amas?

- Não C. É sempre diferente de pessoa para pessoa. Além de que nem sei se o amor se explica!

- Pronto! Logo vi! Isso é mais uma fachada tua, mais um método de engate, ou de sedução.. no fundo sabes tanto como os outros.
...
- Vem comigo C..
...
...
- Vês ali aquela loura, pequenina, dos óculos cor-de-rosa?

- Sim.. e então?

- Sentes um nó na tua barriga? Um quente tão forte, tão forte, que parece que te vai consumir por dentro?
...
- ... Não... nada!

- Então... Eu sinto... o amor para mim é isto. É ela! Para ti vai ser diferente...

-...

16 comentários:

martinha disse...

Ainda bem que a loura, pequenina, dos óculos cor-de-rosa sente o mesmo quente na barriga sempre que te vê... amo-te mesmo paixão boa...

Utzi disse...

Um homem apaixonado e inspirado pela sua paixão :) Parabéns aos dois, agarrem bem esse Amor!

Beijinhos

morango disse...

É isso.

;o)

João Pedro Coelho disse...

O amor como tal qual como é!
da autoria do poeta françês Jacques Prévert

"Este Amor" (tradução a partir do françês)

Este amor
Tão violento
Tão frágil
Tão terno
Tão desesperado
Este amor
Belo como o dia
E mau como o tempo
Quando há mau tempo
Este amor tão sincero
Este amor tão calmo e sereno
Tão feliz
Tão jovial
E tão pobre
Trêmulo como uma fagulha na escuridão
E tão seguro de si mesmo
Como um homem tranqüilo no mais fundo da noite
Este amor que assusta os demais
Que os faz falar
Que os faz empalidecer
Este amor vigiado
Porque nós o vigiamos
Acossado ferido pisoteado destroçado negado olvidado
Porque nós o acossamos ferimos pisoteamos destroçamos negamos olvidamos
Este amor íntegro
Tão vivo até agora
E pleno de sol
É o teu
É o meu
Esse que foi
Este algo sempre novo
E que não mudou
Tão verdadeiro como uma planta
Tão trêmulo como um pássaro
Tão cálido tão vivo como o verão
Ambos podemos juntos
Nos distanciar e retornar
Esquecê-lo
E depois dormirmos
Despertarmos padecer envelhecer
Dormirmos de novo
Sonhar com a morte
Despertarmos sorrir e rir
E rejuvenescer
Nosso amor segue ali
Obstinado como uma mula
Vivente como o desejo
Cruel como a memória
Absurdo como o arrependimento
Terno como as recordações
Frio como o mármore
Belo como o dia
Frágil como um menino
Nosso amor nos olha sorrindo
E nos fala sem dizer nada
E eu o escuto trêmulo
E grito
Grito por ti
Grito por mim
E te suplico
Por ti por mim por todos os que se amam
E os que se amaram
Sim lhe grito
Por ti por mim e por todos
Os que não conheço
Fica
Não te mexa
Não vá
Nós os que somos amados
Te esquecemos
Mas não nos esqueça tu
Só tínhamos a ti no mundo
Não permitas que nos tornemos indiferentes
Cada vez mais longe
E desde onde sejas
Dai-nos sinais de vida
Muito mais tarde desde o recanto de um bosque
Na selva da memória
Surge de repente
Estenda-nos a mão
E salva-nos

Luciana disse...

LINDO, LINDO, LINDO!!!
É assim que o amor é!! :)
Parabéns pelo vosso amor!!!
Continuem assim!
Beijocas

robina disse...

Comigo é igual, exceptuando a parte da lourinha de óculos rosa, claro :-)

Gi disse...

Sempre diferente e contudo sempre amor. :-)
beijinho


P.S. João Pedro Coelho gostei muito do poema, obrigada por o dar a conhecer

Juro disse...

Ainda bem que não existe definição para Amar!
Se existisse andávamos todos
enganádos!


Gosto das tuas palavras.
Têm melodia
Têm sentimento

happiness...moreorless disse...

É bem verdade, o amor está em nós, não tem uma definição, não se explica a ninguem...sentes-se!

um beijinho

Sandro disse...

martinha: Ainda bem mesmo... :)

Utzi: Está mais que agarrado, o segredo agora é não abrir mão dele! Beijo

morango: e mai nada... hehe!

Jonas: antes de mais, essa dos 3 nomes é tramada, porque é preciso andar a perguntar quem é o menino... mas uma vez elucidado quanto à verdadeira identidade (Jonas, não João :D), fico contente por teres passado aqui, e por teres comentado. Os teus comentários, pela qualidade que têm, são mai que bem vindos. Grande abraço.

Sandro disse...

Luciana: Obrigada Luciana. Um beijo

robina: Ainda bem que essa parte é diferente... :)
Beijos

Gi: Sempre amor sim.. e tem de ser diferente de vez em quando, senão...
Beijo grande.
PS: João Pedro Coelho.. fica bem não fica?!?! hehe!

Juro: Obrigada. Não sei se têm melodia, mas sentimento posso assegurar que têm, sempre tiveram. O que somos nós se não sentirmos?!?

hapiness: Um beijo... Espero que sintas também, porque é o melhor sentimento. Qualquer tipo de amor...
Beijo bom

João Pedro Coelho disse...

"... crê-se facilmente que o ser que se ama vem dos deuses.
Porque nos parece sempre dotado de virtudes inacessiveis aos outros ..."

excerto de diálogo de; Ana com a irmã de Dido, raínha de Cártago!

Extraído da obra "Eneida", de Virgílio.

amor é isto e muito mais...

Um abraço para ti Sandro.

Xein disse...

É isso... Para mim é outra coisa e neste momento muito mais dolorosa. Mas é memso assim. Cada cabeça, sua sentença!

Sente-te

Mood disse...

Tenho para mim que quando alguém souber explicá-lo de facto vamos ficar mais pobres. Os escritores são nesta área os verdadeiros especialistas/cientistas. Há também um especialista nestas coisas dos amores/afectos que muito considero... Já deves conhecer http://sinkships.blogspot.com/

Beijão amigo!! Miss you

Xuinha Foguetão disse...

:)

El-Gee disse...

gostei mt deste texto